Cursos e EventosConcursosEducação a DistânciaSistema de Avaliação de SentençasJudicialização da SaúdeFale Conosco
Página Inicial arrow Repositório de Sentenças arrow Cível arrow AÇÃO DE INDENIZAÇÃO CONTRA MUNICÍPIO DE ARAGUARI - FURTO EM CEMITÉRIO - PERDA DA LOCALIZAÇÃO OSSADA
 
Menu
Página Inicial
Sobre a EJEF
Serviços de Pesquisa
Publicações
Biblioteca
Biblioteca Digital
Repositório de Sentenças
Gestão Arquivística
Promoção Magistrados
Banco de Talentos
Avaliação de Desempenho
Plano de Carreira
Sumário
Expediente
Manual VEC
Manual do Conciliador
Serin
Acesso ao site do TJMG
Rev. Jurisprudencia Mineira
Boletim de Jurisprudência
 


 
AÇÃO DE INDENIZAÇÃO CONTRA MUNICÍPIO DE ARAGUARI - FURTO EM CEMITÉRIO - PERDA DA LOCALIZAÇÃO OSSADA PDF Imprimir E-mail

EMENTA : SENTENÇA - AÇÃO DE INDENIZAÇÃO CONTRA MUNICÍPIO DE ARAGUARI - FURTO EM CEMITÉRIO - PERDA DA LOCALIZAÇÃO OSSADA DO FILHO - AUSÊNCIA DE CADASTRO PARA LOCALIZAÇÃO  - DANOS MORAIS DEVIDOS - R$ 10.000,00 .

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                              

 

Autos: 003504.044.356-2

Parte autora: Robson de Souza Marques

1 ª Parte ré: Município de Araguari

Ação:Indenização

 
S E N T E N Ç A
I – RELATÓRIO


 

Vistos etc...

 

               Robson de Souza Marques qualificado nos autos, propôs a presente ação  “ Ordinária c/c Indenização Por Danos Morais” em face do Município de Araguari (Prefeitura Municipal) e Cemitério Municipal de Araguari- MG Bom Jesus com o objetivo de ser compensado por danos morais  que diz ter sofrido com a conduta destes em permitir que o corpo de seu falecido filho que se encontrava na lápide n. 2.912 não mais fosse localizado. Narra que em 25 de agosto de 2004, meliantes entraram no Cemitério Municipal e dali furtaram as placas de metal indicativas do local onde o corpo do seu filho, enterrado em 22 de agosto de 2002, podia ser identificado. Afirma ter tomado as providências cabíveis mas que os Réus nada fizeram efetivamente para localizar o corpo, tendo havido inclusive tentativa de esconder documentos comprobatórios de que este estava ali enterrado.Entende pois, ser necessária a compensação pecuniária por dano de natureza íntima uma vez que encontra-se impossibilitado de prestar homenagens e zelar pelos restos mortais do filho. Após indicar os dispositivos legais  que entende pertinentes ao caso pede a condenação dos Réus ao pagamento de 20.000,00 (vinte mil reais) e mais despesas e custas processuais, além dos honorários advocatícios.

               Às f. 21 consta determinação judicial de alteração do valor atribuído à causa passando este a R$20.000,00 (vinte mil reais). No mesmo ato, determinou-se a exclusão da lide do Cemitério Municipal de Araguari e a alteração do pólo passivo para Município de Araguari, o que foi feito.

               Citado, o Réu apresentou defesa escrita na qual argüiu preliminar  de inépcia da inicial porque da narração dos fatos não teria decorrido o pedido, carência de ação por falta de interesse processual , sendo que a partir daí sua defesa preliminar confundiu-se com o mérito, e ainda e ao final, a aplicação da litigância de má-fé. Requereu a improcedência dos pedidos caso não acolhidas as preliminares de extinção sem análise do mérito, com as conseqüências da improcedência.

               Impugnação aos documentos e preliminares juntada às f. 44.

               Deferida a prova testemunhal, foi realizada audiência de instrução e julgamento na qual não compareceu o advogado do Município, apesar de intimado. Malgrado isso, foram ouvidas duas testemunhas arroladas pelo Autor, que ao final, e em razões finais, pugnou pela procedência do pedido.

               É o resumo dos fatos. Fundamento e Decido.

II - FUNDAMENTAÇÃO

                Partes legítimas e bem representadas, passo à análise das preliminares.

               Preliminares

               A preliminar de inépcia da inicial de modo algum merece prosperar. Na leitura da petição inicial pude entender com tranqüilidade e sem qualquer esforço ou malabarismo mental o que pretende o Autor. Noto que agregado a esta preliminar o Município colocou questões que seriam de mérito e mais que isso, que demonstram ter entendido perfeitamente o pedido. Rejeito, pois, a preliminar.

               A preliminar de carência de ação por falta de interesse processual, igualmente, é de ser rejeitada, pois a se responder à indagação transcrita pelo Réu, qual seja, “para obter o que pretende o autor necessita da providência jurisdicional pleiteada” é certo que a resposta é afirmativa. Não fosse assim, de que modo poderá saber do seu alegado direito quanto á compensação financeira por negligencia do Município quanto à guarda do cemitério? Então, nem sendo cabível o argumento de não ter havido resistência quanto à pretensão autoral, já que a defesa é própria essência desta, hei por bem rejeitar, como rejeito, a preliminar.

               No mérito, o Município Réu não conseguiu apresentar fato impeditivo ou desconstitutivo do direito do autor, que, por sua vez, teve suas alegações respaldadas pelo conjunto probatório dos autos.

               Trata-se de matéria afeita à Responsabilidade Civil do Estado, este aqui considerado em seu amplo sentido e cuja norma é de natureza Constitucional e por isso Cogente, Imperativa e inafastável e vem redigida no art. 37§6º da Lei Maior.

               Dispõe referido dispositivo legal, in verbis:

“ Art. 37 A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:

....

§ 6º - As pessoas jurídicas de direito público e as de direito provado prestadoras de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa.”

               Inegável o dever do Município de zelar pelos restos mortais enterrados no cemitério municipal aí compreendendo o dever de guarda e vigilância, inclusive para que delitos não sejam ali cometidos. Mais que isso, deveria o Município, por meio da sua administração, catalogar e saber com precisão onde aqueles ficam, permitindo assim, que ainda que estes sejam cometidos, tal como a hipótese de furto da cruz  ou placa indicativa, os corpos possam ser localizados.

               A Responsabilidade do Município é certa e incontestável, mormente verificando-se que o documento de f.18, não impugnado,  indica onde o corpo do filho do autor deveria estar. Importante destacar não ter o Município contestado a ocorrência do furto, pois em sua defesa limitou-se a frisar que pelo fato de o Cemitério possuir muro de 02 (dois) metros de altura não teria havido descuido por parte da sua Administração Pública.

               Não se pode olvidar que o Direito como regulador da conduta humana em sociedade impõe normas de caráter genérico e abrangente e por isso, mera argumentação de que as jurisprudências lançadas na defesa não dizem respeito especificamente a caso análogo ao dos autos não é apta a afastar a possibilidade de ter havido nexo causal entre a conduta da Administração Pública e o resultado danoso. É que, embora estas digam respeito ao pagamento de danos morais por violação de sepultura, o sumiço da placa indicativa do lugar onde o corpo de parente se encontra também é causa para indenização. Com efeito, cabia ao Réu zelar pelo local de modo a não permitir que fosse invadido e ainda que ultrapassada essa questão, deveria ser organizado o suficiente de modo a ser de fácil identificação os locais de cada corpo. Vê-se pelo documento de f.18 a precariedade da Administração quanto ao arquivo dos locais onde estão os corpos. Fichas anotadas à mão, nada mais.

               Dizer que dessa falta de cuidado e respeito com os familiares dos mortos não nasce o dever de indenizar é fechar os olhos para a Carta Magna.  É se esquecer que não saber aonde se localiza o corpo do filho é o mesmo que se ter por violada a sepultura, é perdê-lo mais uma vez, é não poder chorar no seu túmulo e extravasar a dor da perda. O Direito, em sua totalidade e no que cabe a cada ramo que possui, resguarda a tradição do respeito aos mortos. Há crime, quando da violação de sepultura e mais ainda, há capítulo destinado à proteção do sentimento religioso e respeito aos mortos.

               Do mesmo modo, o direito civil protege a honra do particular podendo esta ser tida como o sentimento de orgulho que o homem de bem e de princípio possui e que advém tanto daquele sentimento religioso que costuma conduzir nações, quanto daquele outro, nascido da alma humana em toda sua forma, seja por respeito pela dor e perda de um filho, seja em pequenos gestos de cuidar de quem se está próximo. E por isso, o Direito impõe à Administração Pública – que gere o que é de todos os cidadãos -, o dever de cuidar com esmero do que lhe é dado cuidar e em todas as suas formas, omissivas e comissivas. Daí, prevendo a inaptidão inata ao ser humano, determinou que aquele que fosse administrar o bem comum fosse também responsabilizado, independentemente de culpa, pelo dano que cause.

               Nesse sentido, os julgados:

“A remoção de restos mortais” de sepultura perpétua para o ossuário geral do cemitério por parte da Administração Pública sem ciência e consentimento da família constitui ato inexplicável e absurdo, a ensejar a obrigação de indenizar por dano mora, ainda que ausente o dolo ou a intenção de causar prejuízo. (TJMG – 1ª C. - Ap. – Rel. Paulo Tinoco- j. 21.04.87-RT 639/155).

 

“ Responsabilidade civil do Estado. Indenização.Dano Moral . Exumação de restos mortais de criança sepultada em cemitério municipal. Perda conseqüente dos restos mortais exumados porque não preservados pela administração do cemitério, em razão da conduta descuidada e negligente de seus funcionários. Providência realizada è revelia dos genitores do menor sepultado., os quais haviam pago a taxa de manutenção do túmulo. Dano moral conseqüente sofrido pelos autores em razão da perda dos restos mortais do filho, cuja sepultura não podiam mais visitar como forma de amenizar a angústia e a saudade que lhes restaram.(TJSP – 3º c. Dir.Púb-Ap.31.424-5/0-00-Rel Ribeiro Machado-j.09.02.99).” (g,n).

 

AÇÃO INDENIZATÓRIA - DANOS MORAIS - DESAPARECIMENTO DOS RESTOS MORTAIS DA MÃE DA AUTORA - RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO MUNICÍPIO - LEGALIDADE. - É de se reconhecer o pleito indenizatório a quem experimenta a dor de ver desaparecidos os restos mortais de pessoa da família, especialmente da própria mãe, sendo irrefutável a atribuição do fato ao Poder Público Municipal, a quem cabe cuidar para que as sepulturas em cemitérios sob sua administração não sejam violadas, restando configurada a hipótese de responsabilidade civil objetiva consagrada no Texto Constitucional vigente (Ap.n.1.0000.00.286223-3/000 (1). Rel. Francisco Figueiredo - 13/12/2002).

 

               Assim, certa da Responsabilidade Civil do Município, passo à fixação do valor da compensação por danos morais.

               Cediço ser este uma forma de amenizar sofrimento experimentado indevidamente por um indivíduo.  Para que tanto, deve ser considerada a capacidade econômico-financeira das partes a fim de se evitar que a compensação se transforme em indevido enriquecimento.

               Nessa ordem de idéias, necessária a análise da situação fática e sua gravidade bem como da circunstância e motivo pelo qual ocorreu, e a meu juízo, o impacto financeiro na vida do ofendido e  situação do ofensor. Analisando, portanto, essas questões, tenho por mim não se poder olvidar que os valores a serem pagos pelo Município serão de alguma forma arcados por toda a comunidade local. Portanto, a parcimônia impera, sem que, no entanto, subjugue o direito à compensação a ponto de se traduzir em ofensa ainda maior àquele que veio ao Poder Judiciário em busca da Justiça.

               Nesse sentido a jurisprudência do ano de 2005, em caso análogo e na qual se tem com precisão ímpar a análise do fato e valoração do dano.

Quanto ao valor da indenização fixada pela douta sentença impugnada, como cediço, a condenação imposta a título de danos morais objetiva, também, conscientizar o ofensor a fim de evitar novas práticas lesivas, tendo em conta a excelente lição de Carlos Alberto Bittar, in "Reparação Civil por Danos Morais: a Fixação do Valor da Indenização", JTACIVSP, vol. 147/09:

"Nesse sentido é que a tendência manifestada, pela jurisprudência pátria, é da fixação de valor de desestímulo como fato de inibição a novas práticas lesivas. Trata-se, portanto, de valor que, sentido no patrimônio do lesante, o possa fazer conscientizar-se de que não deve persistir na conduta reprimida, ou então deve afastar-se da vereda indevida por ele assumida. De outra parte, deixa-se, para a coletividade, exemplo expressivo da reação que a ordem jurídica reserva para infratores nesse campo, e em elemento que, em nosso tempo, se tem mostrado muito sensível para as pessoas, ou seja, o respectivo acervo patrimonial."

Com estas considerações, levando em conta que a indenização não pode se transformar em uma fonte de enriquecimento ilícito e, por outro lado, também não pode deixar de cumprir a função de repor ao ofendido o dano moral sofrido, entendo que o valor de R$ 8.000,00 (oito mil reais) fixado pela douta sentença de primeiro grau, demonstra-se adequado à hipótese fática e, como tal, cabe ser mantido.

Isso posto, nego provimento ao segundo recurso de apelação, para manter integralmente a douta sentença objurgada, por seus doutos e jurídicos fundamentos.

Custas, ex lege. (Relator. Batista Franco 1.0439.03.018827-0/001(1))

Dessa forma, com fundamento nas circunstâncias acima indicadas fixo o valor da compensação por dano moral em R$10.000,00(dez mil reais), que considero suficiente para servir de alento ao ofendido, ao mesmo tempo em que se presta como sanção para o ofensor.

III - DISPOSITIVO

            Posto isso e por tudo mais que dos autos consta, JULGO PROCEDENTE o pedido de ROBSON DE SOUZA MARQUES para condenar, como de fato condeno, MUNICÍPIO DE ARAGUARI a pagar-lhe como compensação por danos morais a quantia de R$10.000,00 (dez mil, reais) corrigida monetariamente pela tabela da Corregedoria Geral de Justiça e acrescida de juros de mora de 1% (um por cento)ao mês da data desta decisão quando fixado o valor devido.

               Condeno ainda o Município Réu ao pagamento das custas de despesas processuais e em honorários advocatícios que fixo em 15% (quinze por cento) do valor atribuído à causa, nos termos do art. 20º §3º do CPC.

              

               Publique-se. Registre-se. Intimem-se.

               Araguari, 11 de julho de 2007.

 

               Aldina de Carvalho Soares

               Juíza de Direito da 3a Vara Cível de Araguari/MG   

 

FREE LIMS and ELN for Science Researchers
 
 

 
Busca
 

Advertisement

 
AVISO
Sr. Magistrado, este banco não inclui as decisões interlocutórias. Enriqueça o Banco de Sentenças enviando suas sentenças periodicamente.
 

 
Depoimentos
"O banco de sentença é um forte instrumento ao Magistrado, pois dali extrai ele elementos atualizados acerca da matéria que, comumente, está sendo palco de investigação e decisão. Pelo banco de sentença o juiz dirimirá suas dúvidas e afastará seus anseios acerca da causa que está julgando, pois que em cada decisão que faz parte do banco há uma resposta à solução das nossas aflições na difícil tarefa de julgar." Dr. Oilson Nunes dos Santos Hoffmann Schimitt - Juiz de Direito da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais da Comarca de Varginha
 

R. Guajajaras, 40 / 18º andar - Centro - Belo Horizonte/MG - CEP 30180-100 - Telefone: (31) 3247-8700
© 2014 Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais